Memória
            Pelo Brasil             Memória             Na verdade, a prioridade é: CONVERSÃO
18/10/2017 Ir. Israel José Nery Memória Na verdade, a prioridade é: CONVERSÃO
A+ a-

A tarefa primordial da catequese 

A catequese visa ajudar a pessoa a crescer na adesão pessoal a Jesus Cristo e, por meio dele, no Espírito, ao Pai; visa a inserção ministerial na Igreja, e o compromisso com construção do Reino, a partir da evangélica transformação da sociedade, para que todas as pessoas tenham vida e vida em abundância, como ensina Jesus (cf. Jo 10,10). Para isso, a catequese requer catequistas, convertidos e apaixonados por Jesus Cristo, Caminho, Verdade, Vida (cf. Jo 14,6).

A adesão incondicional a Jesus implica, para catequistas e catequizandos, o engajamento na Igreja, como seus membros vivos, corresponsáveis, ativos, dinâmicos, dedicados. A nossa missão de catequista é ajudar no processo educativo dos fiéis para que assumam a fé, isto é, o discipulado missionário, mas também a Igreja, a missão cristã, e para que caminhem rumo à maturidade em Cristo.

Mas, a prioridade das prioridades é a conversão.

A realidade de nossa Igreja Católica revela situações que exigem medidas urgentes. É que uma boa parte dos que nos dizemos católicos temos quatro graves deficiências quanto à fé:

a) não somos convertidos. A fé não nos agarrou por dentro, não se transformou em nossa natureza, não impregnou nossa vida, nossos sentimentos, nossa razão, nosso trabalho, nossas atitudes, nossos relacionamentos, nosso compromisso com a sociedade. É essencial junto com o dom da fé a nossa adesão livre, consciente, esclarecida, coerente e generosa;

b) não temos convicções sólidas a partir da fé. Aderimos facilmente a propostas contrárias ao Evangelho e à moral cristã. Somos indiferentes ao caos causado pela injusta (des)organização social, geradora e multiplicadora de corrupção, violência e exploração, de pobreza, injustiça e exclusão;

c) somos ignorantes sobre nossa fé. Pouco conhecemos de Bíblia, Tradição, Magistério, Doutrina e Ensinamentos Sociais de nossa Igreja. Não sabemos dar as razões de nossa fé e de nossa esperança. Ficamos em dúvidas diante de tantas pregações diferentes e contraditórias da Palavra de Deus, tantos ensinamentos diferentes e contraditórios aos ensinamentos de nossa Igreja;

d) somos infantis em nossa fé. Colocamos Deus a nosso serviço, a serviço de nossas necessidades. Mas, somos nós que devemos estar a seu serviço, à disposição de sua Santa Vontade. Corremos atrás de superficialidades e coisas secundárias: valorizamos mais os grupos e movimentos do que a Igreja, às vezes chegamos a formar igrejinhas à parte, que se colocam acima da Sagrada Escritura, da Eucaristia, do engajamento na Igreja, do compromisso político em nome da fé.

e) somos por demais devocionistas. Para muitos de nós a devoção (mal compreendida) nos faz parar em Maria, em algum santo e não chegamos ao essencial Jesus Cristo. Quantos de nós ao entrar numa igreja nem percebemos o Sacrário e vamos direto às imagens de santos... 

Ora, diante dessa realidade preocupante, cabe à Igreja uma decisão urgente e prática: realizar um processo evangelizador bem organizado e forte, isto é, o anúncio primeiro da fé, a proposta da conversão a Jesus Cristo, de encontro pessoal e intransferível com ele, a ser discípulos missionários dele. Ora, este anúncio primeiro é essencial para a catequese cumprir a sua missão específica. E a situação é tal, que a própria catequese precisa ser essencialmente evangelizadora, provocadora da conversão a Jesus, à Igreja e à missão, caso contrário não produz frutos.

Ir. Israel José Nery

Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
Leia os artigos...
                  
Receba as novidades da Catequese do Brasil. Cadastre seu e-mail...